Como ajustar as configurações de privacidade e segurança no Signal

O Signal se destaca por seus recursos de privacidade e segurança, mas conta com uma base de usuários muito menor do que a de aplicativos como o WhatsApp ou Telegram.

O Signal se destaca por seus recursos de privacidade e segurança, mas conta com uma base de usuários muito menor do que a de aplicativos como o WhatsApp ou Telegram.

Durante maio de 2021, após o WhatsApp anunciar uma reformulação de sua política de privacidade e termos de uso, outros aplicativos de mensagens instantâneas começaram a ganhar popularidade. Entre os mais baixados depois do WhatsApp estão o Telegram e o Signal.

Em um post publicado anteriormente, falamos sobre as opções oferecidas pelo Telegram para configurar a privacidade e segurança dos usuários, e sobre as diferenças entre o WhatsApp, Telegram e Signal. Desta vez, vamos analisar de forma mais detalhada o Signal, que não é tão conhecido como os demais aplicativos.

Principais recursos do Signal

O Signal, anteriormente chamado de TextSecure, é um aplicativo de mensagens de texto e voz que sempre se caracterizou por sua privacidade e segurança. O app é de código aberto, ou seja, seu código é acessível e auditável por qualquer usuário, e é mantido por uma organização sem fins lucrativos que funciona através de doações.

Com relação a coleta de dados, o Signal só requer o número de telefone do usuário. Embora tenha funcionalidades como a sincronização de contatos ou a possibilidade de ter uma imagem de perfil, o app obtém os dados usando algoritmos que utilizam criptografia e não requerem armazenamento extra em seus servidores.

Além disso, todas as comunicações feitas através do aplicativo são criptografadas por padrão e de forma obrigatória. A organização que gerencia o Signal criou seu próprio protocolo de criptografia para o aplicativo, que combina algoritmos criptográficos complexos para garantir a sua total segurança.

O aplicativo solicita permissões semelhantes ao WhatsApp e ao Telegram. Entretanto, estas permissões correspondem a funcionalidades adicionais (tais como importar contatos, enviar fotos ou enviar e receber mensagens de texto via Signal), e podem ser desativadas sem afetar o funcionamento padrão do aplicativo.

Imagem 1: Permissões solicitadas pelo Signal.

­­­­­­­­­­­

Configurações de privacidade no Signal

Como na maioria dos aplicativos de mensagens, encontramos as configurações relacionadas à segurança e privacidade no menu Configurações. No Signal, elas podem ser encontradas pressionando os três pontos no canto superior direito (Android) ou na foto de perfil no canto superior esquerdo (IOS).

Além das configurações de perfil e de poder visualizar os dispositivos nos quais foram realizados logins e outras configurações de aparência e armazenamento, encontramos opções de privacidade no menu Privacidade.

Nessa opção, podemos encontrar a lista de usuários bloqueados, assim como opções aplicadas às conversas, que vão desde a possibilidade de desativar as confirmações de leitura e indicadores de digitação, até o cronômetro para que as mensagens desapareçam. Este último funciona como a autodestruição de mensagens no Telegrama, mas configurado para qualquer conversa. Em outras palavras, depois que a mensagem for vista, ela será excluída dos dispositivos do remetente e do receptor dentro do tempo selecionado. Esta configuração também pode ser aplicada dentro de um chat específico, nas configurações de chat.

Além disso, são listadas opções de segurança, tais como forçar o bloqueio de tela do dispositivo após um tempo configurável, o que pode não coincidir com o tempo de bloqueio do telefone para qualquer ocasião específica.

Outro recurso interessante do Signal é a possibilidade de bloquear capturas de tela, tanto por aplicações externas quanto pelo uso de capturas de tela tradicionais dentro do próprio aplicativo. Entretanto, é importante notar que existem maneiras mais complicadas de obter essas informações. Por exemplo, tirar fotos da tela com outros dispositivos.

Imagem 2: Menu de Privacidade do Signal.

Imagem 3: Menu de Privacidade do Signal.

Opções mais avançadas também estão disponíveis para aqueles que querem mais segurança no aplicativo.

Primeiro, a opção Sempre Redirecionar Chamadas, que redireciona todas as ligações através de um servidor do Signal para evitar que seu endereço IP seja revelado ao contato.

Também há a opção do Remetente Oculto. Como os próprios desenvolvedores explicam no blog do app, isso acrescenta uma camada extra de segurança: não só o conteúdo das mensagens que enviamos é criptografado, mas também quem as envia. Para isso, além de seus algoritmos de criptografia, eles usam verificações únicas contra seus servidores para evitar casos de spoofing.

Imagem 4: Menu de Privacidade (Avançadas) do Signal.

Signal como uma alternativa

O Signal é uma alternativa mais versátil com configurações extras quando se trata de segurança do que sua concorrência, como Telegram ou WhatsApp. A criptografia padrão, autodestruição para todas as conversas e a opção de remetente oculto são algumas das opções que aumentam a privacidade dos usuários no Signal. Entretanto, a diferença abismal no número de usuários dificulta seu uso para contatar pessoas conhecidas.

Como em qualquer aplicativo, é importante considerar as necessidades e expectativas de privacidade, e compará-las com as políticas de privacidade e termos e condições do Signal para garantir que o app seja adequado para o uso esperado.

Newsletter

Discussão