Golpes via PayPal: casos que os vendedores precisam conhecer

De pagamento indevido a golpes de entrega, saiba quais são algumas das fraudes mais comuns via PayPal.

De pagamento indevido a golpes de entrega, saiba quais são algumas das fraudes mais comuns via PayPal.

Com um volume total de pagamentos de US$ 247 bilhões, o PayPal continua sendo um dos serviços de pagamento on-line mais populares entre as principais marcas e entre uma variedade de pequenas empresas e provedores de produtos e/ou serviços. Na verdade, a empresa tem 28 milhões de vendedores registrados na plataforma.

No entanto, ao contrário de grandes empresas como Sony ou Microsoft, vendedores menores, especialmente aqueles que vendem itens como um negócio paralelo, não podem se dar ao luxo de ter um exército de profissionais de segurança cibernética à sua disposição. Como resultado, esses vendedores acabam sendo muito mais suscetíveis aos ataques e às várias formas de golpes realizados por cibercriminosos.

Pagamento indevido e em excesso

Um dos golpes mais comuns ocorre quando um comprador envia o pagamento a um vendedor, mas por algum motivo ele envia mais do que o preço de venda. Em seguida, o comprador notifica o vendedor de que cometeu um erro e que acabou enviando mais dinheiro do que o cobrado e pedem ao vendedor o reembolso da diferença. Após o reembolso da diferença do valor do produto, o golpista entra em contato com o PayPal e faz uma reclamação destacando vários motivos, como, por exemplo, que o produto entregue estava fora do padrão descrito no anúncio ou que sua conta foi comprometida e que ele não comprou nada. Neste último caso, o vendedor pode perder o dinheiro da compra caso o golpista tenha direito a um reembolso total do produto.

Além disso, é bem provável que o cibercriminoso use uma conta do PayPal ou cartão de crédito comprometido. Se o titular da conta/cartão perceber que houve alguma atividade não autorizada em suas contas, provavelmente ele faça uma denúncia e o vendedor pode acabar perdendo o produto que enviou e, consequentemente, o pagamento, além de ter que arcar com todas as despesas de envio.

Erros acontecem de vez em quando, mas, no caso de pagamentos indevidos, é melhor ser bastante cauteloso. Na maioria das vezes, a realização de um pagamento com um valor superior ao do produto pode ser um forte sinal de golpe, portanto, a melhor opção é cancelar a compra.

Golpes no processo de entrega

Os golpistas costumam recorrer a diferentes táticas que podemos destacar como golpes no processo de entrega, que têm um objetivo: gerar algum tipo de prejuízo. Por exemplo, um golpista pode tentar convencer o vendedor a usar a conta de envio do golpista porque ele pode obter um desconto ou oferecer um preço melhor do que usar um dos serviços de entrega do vendedor. No entanto, se um vendedor concordar com isso, o criminoso pode facilmente solicitar que o serviço de frete desvie a entrega para outro endereço. Isso permite que eles façam uma reclamação e aleguem que a mercadoria nunca foi entregue. O vendedor não tem o comprovante de entrega, ou seja, ele pode acabar sendo vítima de um triplo golpe: ele fica sem o produto, pagou o serviço de entrega e agora precisa compensar a perda do produto.

Outra tática comum é a mudança de endereço. O golpista fornece intencionalmente o endereço de envio errado e monitora pacientemente o rastreamento do envio pela Internet. Assim que a transportadora adiciona um comentário indicando que o pacote não pôde ser entregue, o golpista entra em contato com o vendedor e indica seu endereço “correto” para finalmente receber o produto. Como não há comprovante de entrega, o mesmo cenário se desenrola e o vendedor é vítima de um triplo golpe.

Para se proteger contra esses tipos de golpes, é melhor manter seu fornecedor de entregas e evitar transferir dinheiro para alguém que você não conhece. Você também deve sempre enviar o produto para o endereço que o comprador indicou na página “detalhes da transação”. Além disso, você pode entrar em contato com sua empresa de transporte e proibir o comprador de alterar a rota de entrega.

O velho e conhecido Phishing

Como o PayPal é uma das marcas mais escolhidas pelos criminosos para falsificar sua identidade em golpes de phishing, é muito possível que um vendedor acabe sendo vítima de golpes. Um cenário comum que pode ocorrer é o vendedor receber um e-mail informando que sua conta do PayPal foi suspensa, o que pode causar pânico se a conta for uma de suas principais fontes de renda. O e-mail pode referir-se a vários motivos pelos quais a conta foi suspensa, incluindo a existência de atividade incomum na conta. Os e-mails podem parecer legítimos, pois contêm as informações necessárias para personificar a coisa real. Para que o vendedor coloque sua conta novamente em funcionamento, o e-mail falso solicita o preenchimento de algumas informações. Geralmente, essa é uma tática que visa roubar dados confidenciais e/ou credenciais da conta do PayPal. Portanto, se o vendedor cair, o golpista colocará as mãos no endereço de e-mail, nas senhas e talvez até mais informações. Além disso, o e-mail pode incluir um link que fará o download do malware no dispositivo da vítima.

O ideal é analisar qualquer e-mail não solicitado, especialmente aqueles que se fazem passam por uma espécie de atendimento ao cliente. Em caso de dúvida, entre em contato com a empresa diretamente através de formulários oficiais de contato no site da empresa ou serviço. Como diz o ditado: é melhor prevenir do que remediar. Usar um filtro anti-spam confiável e atualizado e uma solução de segurança.

Proteja-se!

Embora esta não seja uma lista completa dos vários golpes que os usuários do PayPal podem se deparar ao comercializar produtos ou serviços, eles são alguns dos mais comuns e darão uma ideia geral do que anda acontecendo. O mais importante é ficar alerta e desconfiar caso algo fora do comum aconteça. A melhor dica é sempre verificar tudo e estar muito atento a qualquer ação que pareça suspeita ou que pelo menos seja estranha para você, como um pedido especial ou um e-mail não solicitado.

Newsletter

Discussão