Dois jovens foram presos pela modificação do clipe de “Despacito” no YouTube

Dois jovens foram presos pela modificação do clipe de “Despacito” no YouTube

Adolescentes franceses acusados pelo ataque ao clipe de "Despacito", de Luis Fonsi, e a outros videoclipes no YouTube, foram presos em Paris.

Adolescentes franceses acusados pelo ataque ao clipe de “Despacito”, de Luis Fonsi, e a outros videoclipes no YouTube, foram presos em Paris.

Dois adolescentes de apenas 18 anos foram presos na capital francesa há alguns dias por serem acusados de invadir as contas da Vevo no YouTube em que vídeos como “Despacito”, de Luis Fonsi (o vídeo mais popular da plataforma), foram atacados.

De acordo com o site da Variety, a Procuradoria de Paris identificou os dois suspeitos como “Nassim B.” e “Gabriel K.A.B.”, conhecidos na Internet pelos pseudônimos de “Prosox” e “Kuroi’ish”.

As autoridades alegam que os jovens violaram as contas do YouTube administradas pela Vevo para alterar o conteúdo de videoclipes de vários artistas, além de Luis Fonsi, tais como: Selena Gomez, Taylor Swift, Katy Perry, Shakira e Cris Brown. Os cibercriminosos substituíram a imagem de capa, título e descrição dos vídeos, o que fez com que a Vevo removesse todos os clipes afetados até que o problema fosse resolvido.

A prisão dos acusados foi resultado da colaboração entre a Procuradoria de Paris e a Procuradoria Distrital de Manhattan, em Nova York, onde estão os escritórios da Vevo. Gabriel K.A.B. conta com cinco acusações, enquanto Nassim B. apresenta seis, incluindo a “modificação fraudulenta de dados”.

Os jovens e o cibercrime

Este caso serve como uma alerta para refletir sobre a importância da educação para enfrentar uma realidade que indica que os jovens estão envolvidos com o cibercrime em idades cada vez menores, entre outras coisas, porque não são plenamente conscientes de que estão cometendo um crime. Em 2016, estatísticas apresentadas pela Agência Nacional do Crime britânica (NCA) mostraram dados preocupantes sobre a relação de adolescentes e o cribercrime, onde em 2016 a idade média dos suspeitos de crimes cibernéticos era de apenas 17 anos, enquanto em 2015 era de 24 anos.

O vídeo a seguir (em inglês) preparado pela NCA, e publicado em 2015, mostra o caso do Ryan, um jovem que foi preso por atacar importantes sites. Ele conta como a prisão lhe permitiu mudar sua perspectiva e perceber que esse caminho não vale a pena.

Discussão