Seu filho é vítima de ciberbullying? Conheça alguns sinais de alerta

Seu filho é vítima de ciberbullying? Conheça alguns sinais de alerta

O mês de agosto chegou e a “volta às aulas” também. No entanto, este período pode ser um pouco doloroso para algumas crianças, principalmente se isso significa voltar a ter contato com agressores que os incomodam offline ou online por meio das redes sociais (os bullies). Infelizmente, nem todos os pais conseguem distinguir as dificuldades

O mês de agosto chegou e a “volta às aulas” também. No entanto, este período pode ser um pouco doloroso para algumas crianças, principalmente se isso significa voltar a ter contato com agressores que os incomodam offline ou online por meio das redes sociais (os bullies). Infelizmente, nem todos os pais conseguem distinguir as dificuldades

Ciberbullying

O mês de agosto chegou e a “volta às aulas” também. No entanto, este período pode ser um pouco doloroso para algumas crianças, principalmente se isso significa voltar a ter contato com agressores que os incomodam offline ou online por meio das redes sociais (os bullies).

Infelizmente, nem todos os pais conseguem distinguir as dificuldades normais que crianças e adolescentes enfrentam, os sinais reais de perigo que podem indicar que algo de muito grave está acontecendo. Para que os pais não sejam “pegues de surpresa”, preparamos uma lista de indicadores que podem ajudar aos pais a verificarem se os seus filhos são vítimas, ou não, deste grave problema.

Respostas nervosas e constantes oscilações de humor

As oscilações de humor por si só não significam necessariamente que o seu filho esteja sendo vítima de ciberbullying. Porém, se esses sinais forem acompanhados por reações nervosas constantes em resposta a questões comuns, especialmente depois de terem passado algumas horas utilizando o computador, deverá verificar se algo está acontecendo.

Os pais não devem se contentar com respostas como “ok” ou “tudo bem”. Às vezes é necessário investir algum tempo para descobrir como a criança realmente se sente com as experiências online e com os outros. As respostas muito evasivas ou agressivas são um denominador comum em muitos casos de cyberbullying.

 

Exclusão de rede social

Se o seu filho abandonou recentemente uma das redes sociais preferidas, fique atento. Em uma idade em que os mais jovens passam períodos de tempo significativos nas redes sociais, a exclusão de uma conta pode ser um sinal de que algo grave está acontecendo. As ferramentas de controle parental, instaladas no dispositivo de uma criança, podem ajudar a ter um panorama de quais aplicativos seu filho prefere e usa com mais frequência.

 

Distanciamento dos amigos e família na vida real

É natural que os adolescentes se tornem mais independentes dos pais e dediquem mais tempo à construção de sua própria rede de amigos. No entanto, se eles se distanciam dos amigos, se escondem do mundo exterior no quarto, ou evitam redes sociais assim como os seus dispositivos, algo está errado.

 

Drásticas alterações físicas

Reparou que o seu filho perdeu peso ou apetite? Tem problemas para dormir durante a noite e parece estressado pela manhã? Isto pode ser um sinal de muitas coisas, mas quando é combinado com alguns dos comportamentos que citamos (neste post) pode ser sinal de que algo está errado.

 

Fingir que está doente para evitar ir à escola

“Não me sinto bem”, “estou indisposto” ou “tenho dor de cabeça” são desculpas que todas as crianças utilizam ocasionalmente. Se essa utilização for ocasional, não existem motivos para preocupações. Porém, se de forma recorrentemente a criança finge que está doente para não ir à escola pode ser algo muito mais sério. Na maioria dos casos a criança utiliza estas desculpas para evitar os agressores.

Acompanhar seu filho poderá ajudá-lo bastante a aproveitar essa idade sem medo; falar com eles e prestar atenção aos sinais que podem indicar um problema. Se você suspeita que seu filho pode ser vítima, confira algumas dicas para proteger seu filho.

 

Autor:  Ondrej Kubovič, da ESET

Adaptação: Francisco de Assis Camurça, da ESET

Discussão