TSE alerta sobre golpe do título de eleitor “cancelado” que circula por e‑mail ou aplicativos

As mensagens falsas informam aos usuários que seu título de eleitor foi cancelado provisoriamente e que, para regularizar o documento, é necessário informar alguns dados pessoais.

As mensagens falsas informam aos usuários que seu título de eleitor foi cancelado provisoriamente e que, para regularizar o documento, é necessário informar alguns dados pessoais.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou um alerta sobre a circulação de mensagens falsas através de e-mails e aplicativos que informam sobre o cancelamento provisório do título eleitoral. Segundo a Corte, no fim do texto da mensagem há um link que redireciona as vítimas para uma página na Internet em que o eleitor ou eleitora supostamente podem regularizar a situação eleitoral.

A suposta regularização só é feita quando o usuário informa alguns de seus dados pessoais, como o CPF, por exemplo. No entanto, o TSE enfatiza que “todas essas mensagens são maliciosas e visam capturar informações para aplicar golpes”. O Tribunal também destaca que nunca comunica o cancelamento de títulos de eleitor ou qualquer outra irregularidade através de mensagens de e-mail ou aplicativos como o WhatsApp ou Telegram e que também não solicita dados pessoais por estes meios. Além disso, os sites do TSE sempre têm no endereço eletrônico o final “jus” e, em seguida, “br”.

O TSE informa que em caso de dúvidas sobre o cadastro no sistema eleitoral, o eleitor ou eleitora deve entrar em contato com a Justiça Eleitoral por iniciativa própria. De acordo com a Corte, qualquer cidadão ou cidadã pode verificar a sua condição de cadastro através do Portal do TSE, na seção “Atendimento ao Eleitor”.

O Pesquisador de Segurança da ESET, Daniel Barbosa, destaca que momentos como as eleições são sempre aproveitados por cibercrimosos. “A proximidade com as eleições foi o tema da vez para os criminosos que, como costumo dizer, se aproveitam de sazonalidades para fazer cada vez mais vítimas”, enfatiza.

Barbosa também destaca alguns sinais que devem ser considerados: “desconfie de tudo que for recebido de forma passiva, ou seja, que você não tenha solicitado previamente; fique ainda mais alerta caso o tema recebido seja urgente. Criminosos se aproveitam destes gatilhos de urgência para fazer com que as vítimas acreditem com mais facilidade em seus golpes. Sempre (sem exceções) valide as informações recebidas no site oficial da suposta empresa ou órgão que está entrando em contato, e tenha um software de proteção instalado em todos os dispositivos para evitar que ameaças digitais propagadas com este tipo de golpe o infectem”, explica.

Cadastre-se para receber por e-mail todas as atualizações sobre novos artigos que publicamos em nossa seção referente à Crise na Ucrânia.

Newsletter

Discussão