Cuidado com os stalkers na Internet e na vida real | WeLiveSecurity

Cuidado com os stalkers na Internet e na vida real

Tendo em conta a quantidade de informações que publicamos na Internet, será que os nossos seguidores nas redes sociais podem monitorar com facilidade a nossa vida diária?

Tendo em conta a quantidade de informações que publicamos na Internet, será que os nossos seguidores nas redes sociais podem monitorar com facilidade a nossa vida diária?

O assédio virtual nunca foi tão expandido. Provavelmente, isso tem a ver com a facilidade com que os stalkers (ou perseguidores) podem observar, analisar e até mesmo seguir fisicamente suas vítimas. Indo ao extremo, já vi casos que começaram como um acompanhamento inofensivo nas redes sociais e que terminaram em assassinatos.

Se você viu a série “You” na Netflix, pode ter ficado surpreso ao descobrir como, nesta era digital, os stalkers escolhem suas vítimas. Infelizmente, hoje a Internet oferece um grande número de alternativas que podem ser usadas por stalkers como ferramentas para coletar e armazenar quantidades de informações confidenciais. A chave é saber como se proteger de indivíduos ou stalkers que tentam acompanhar de perto cada passo que damos na Internet.

Recentemente, perguntei para os meus amigos no Facebook se alguém gostaria de compartilhar comigo suas próprias histórias relacionadas a casos de assédios virtuais para poder entender como esses indivíduos agem e, assim, ajudar outras pessoas a minimizar os riscos de se tornarem vítimas desse tipo de pessoa. Se há uma palavra que resume bem como me senti quando soube sobre os vários casos de assédio contados por algumas das minhas amigas, a palavra seria “arrepiado”.

A primeira mensagem que recebi foi de uma amiga que me disse que uma vez foi a uma fazenda para crianças com a filha. Elas passaram o dia brincando com os animais e admitiram que tiraram muitas fotos (incluindo selfies) da estadia e que, logo em seguida, postaram no Instagram, marcando o perfil da fazenda nas publicações. Sem saber, nesse momento, alguém estava lá assistindo a elas tirarem essas fotos e depois as procurou entre todas as fotos públicas que tinham a etiqueta da fazenda no Instagram. Alguns dias depois, esse homem começou a seguir sua conta nas redes sociais. Ele deu “like” e fez alguns comentários sobre algumas de suas fotos – o que ela pensou que fosse uma atitude gentil. Alguns dias depois, eles começaram a conversar. Algumas semanas mais tarde e depois de algumas mensagens que lhe permitiram perceber que estavam na mesma sintonia, eles se encontraram pessoalmente e ela ficou surpresa com “quanto coisas tinham em comum”. Na verdade, tudo estava indo “muito bem” até que ele mencionou que estava feliz por tê-la visto na fazenda semanas atrás. O homem não havia mencionado isso até aquele momento e essa informação a fez imediatamente se sentir vulnerável, o que a levou a inventar uma desculpa e ir embora.

Pensar que alguém pode notar sua presença em algum lugar e que tudo que essa pessoa precisa ter para entrar em contato com você é que alguém o marque com uma etiqueta geográfica – isso simplesmente mostra a importância de manter nossas contas privadas, especialmente se quisermos “registrar” momentos em tempo real.

No post que publiquei no Facebook, também perguntei aos meus amigos se eles ativavam o local em tempo real e o compartilhavam com outros amigos, pois li recentemente que muitos jovens permitem que todos os seus amigos vejam constantemente onde estão. Isso me encheu de perguntas, então eu comecei a questionar por que alguém faria algo assim e se eles estavam realmente cientes dos possíveis riscos envolvidos. De fato, minha esposa e eu podemos ver a localização um do outro a qualquer momento no Find My Friends, mas ninguém mais consegue ver a nossa localização exata.

Uma amiga de 28 anos me disse que qualquer um pode ver onde está. Se você está na sua lista de contatos, basta pedir para seguí-la e dessa forma poderá ver sua localização a qualquer momento – e ela me disse que não rejeitou o pedido de ninguém até o momento. Portanto, você pode ver quando ela está no trabalho, na academia ou até mesmo em casa. Isso realmente me assusta: quantos dados privados os jovens estão dispostos a compartilhar com alguém desconhecido?

Anteriormente, quando trabalhei na Unidade Forense Digital para a polícia, testemunhei até onde os stalkers estão dispostos a ir quando assediam uma vítima. Pude ver as buscas, até mesmo os dados que eles coletavam de suas vítimas, o que não só foi assustador, mas em alguns casos era uma demonstração do perigo que esses indivíduos representam.

O assédio em 2019 tornou-se uma prática simples. Os dados de perfil que um estranho pode coletar depois de fazer uma busca através de sites são enormes, mas muitos não consideram isso como um risco. No entanto, tudo o que é necessário é que uma pessoa que tenha um comportamento assustador se apaixone por você e seja capaz de entrar na sua vida.

Mas, o que acontece se você mantiver seu perfil fechado e não aceitar alguém que não conhece em sua vida digital? Bem, isso parece uma maneira muito mais segura de agir, mas e os ex-namorado(a)s que se tornam stalkers (pessoas obcecadas com seus antigos parceiro(a)s)? Depois de assistir “You” no Netflix, percebi como é fácil para um stalker espionar a vida de alguém, se é ou já fez parte do círculo de confiança da pessoa que está sendo assediada. Essas pessoas podem saber senhas compartilhadas, compartilhar códigos de telefone ou até mesmo ter acesso ao telefone da vítima para instalar um aplicativo de rastreamento sem que a vítima perceba. Confrontado com uma situação deste tipo, pode ser uma boa ideia rever as aplicações instaladas no dispositivo e eliminar quaisquer que não sejam familiares. Na pior das hipóteses, você terá deixado o seu celular mais “organizado e limpo”.

Muitas pessoas ficariam felizes em compartilhar tais senhas e até mesmo impressões digitais para acessar o telefone e outras contas de seu cônjuge sem pensar duas vezes, mas o que acontece se esse acesso não for revogado e essa situação acabe indo mais longe, permitindo que seu (sua) ex possa ler as mensagens ou verificar informações relacionadas à sua localização em um momento posterior ao relacionamento? Muitas perguntas do tipo “e se” começam a rondar a minha cabeça. ¯\_(ツ)_/¯.

À medida que avançamos em direção a uma era de dispositivos mais inteligentes em que a segurança é responsabilidade de todos, precisamos perceber que existe a possibilidade de que nós mesmos possamos filtrar os nossos dados, fazendo todos os ajustes possíveis. Tornar nossas contas privadas é uma obrigação e também vale a pena periodicamente verificar os contatos e eliminar aqueles com os quais já não interagimos. Verifique se o seu celular conta qualquer aplicativo que permita que outra pessoa o acompanhe. Em caso de assédio virtual, não deixe o tempo passar e entre em contato com a polícia imediatamente.

Discussão