Mulheres científicas e sua (in)visibilidade ao longo da história

Mulheres científicas e sua (in)visibilidade ao longo da história

Em celebração ao Dia Internacional da Mulher, fizemos uma revisão histórica para relembrar o importante papel que as mulheres desempenharam em vários momentos da história da ciência.

Em celebração ao Dia Internacional da Mulher, fizemos uma revisão histórica para relembrar o importante papel que as mulheres desempenharam em vários momentos da história da ciência.

Não seria irracional dizer que, para muitas pessoas, o conhecimento sobre as mulheres no campo das STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) geralmente encontra seu início e fim com Marie Curie, a primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel e a primeira pessoa a ganhar dois deles. No entanto, ao longo da história, havia muitas outras mulheres de intelecto agudo que tornaram possível o mundo em que vivemos hoje.

Lise Meitner, Chien-Shiung Wu, Rosalind Franklin, Barbara McClintock, Rita Levi-Montalcini… Estas e muitas outras mulheres (Elizabeth Blackburn, Rachel Carson, Dorothy Hodgkin, Gertrude B. Elion, falta mencionar muitas outras) moldaram desde o invisível lugar que a sociedade lhes reservou o que conhecemos hoje como ciência, demonstrando que a ausência de mulheres em áreas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática não se deve a um déficit de neurônios, mas ao apoio social.

E na computação? Os computadores existiam muito antes do Mac, do PC ou mesmo dos grandes computadores principais da IBM, mas sua constituição não era eletrônica, mas de carne e osso. “Computadores” foi o nome dado a dezenas de mulheres matemáticas encarregadas de computar os cálculos necessários para apoiar operações militares e aeroespaciais durante os anos 40, 50 e 60, calculando trajetórias de lançamentos de foguetes para bombardeios ou para a conquista do espaço.

Durante a Segunda Guerra Mundial, quando uma grande parte dos homens foram enviados para lutar, as mulheres conquistaram espaço na história da computação como as primeiras programadoras. Foi a época de Grace Hopper e das Top Secret Rosies. Tempos em que, enquanto os jornais retrataram os engenheiros Eckert e Mauchly ao lado da máquina ENIAC dando-os um momento de fama, as verdadeiras mulheres dedicadas à programação e operação permaneceram na sombra de uma sociedade que subestimou sua contribuição.

Mulheres programando o ENIAC para o cálculo de trajetórias balísticas.

Outra frente em que as mulheres baseavam suas contribuições para o mundo da computação científica era a NASA. Em particular, as mulheres no Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL, em inglês Jet Propulsion Laboratory ) aprenderam que a união era o único meio de derrotar o sistema. Juntas, elas criaram um esquema para esconder suas gravidezes e poder se cobrir quando precisavam estar ausentes para cuidar de seus filhos. Seus maridos, talvez os primeiros homens feministas, apoiaram a inversão de papéis e se encarregaram das tarefas domésticas, enquanto suas esposas aprenderam as novas linguagens de programação que as tornariam uma força de trabalho indispensável.

Estes foram os anos em que o trabalho dos homens era geralmente destinado à criação de hardware, enquanto as mulheres eram responsáveis ​​pela criação dos programas necessários para operar a máquina. Naquela época, a programação era percebida como um trabalho trivial, a ponto de ser como uma opção para o cargo de secretária. Esta promoção significou que o número de mulheres envolvidas no campo da computação cresceu abismalmente até meados da década de 60.

Infelizmente, poucas instituições ofereceram planos de carreira a longo prazo para as mulheres – cujos casamentos e gravidezes eram vistos como terríveis desvantagens – e suas habilidades de computação. Quando, em meados dos anos 70, a indústria entendeu a importância dos computadores, os empresários decidiram incluí-los nos processos administrativos. Claro, eles não iriam nomear mulheres para cargos de administração. Assim, as pioneiros no uso de computadores estavam desaparecendo, substituídas por homens com melhor remuneração.

Então, com o crescimento do Vale do Silício, o foco dos homens voltou-se para o desenvolvimento de software. Surgiram o estereótipo do menino “nerd” e os consoles de videogame surgiram que, como todos os brinquedos eletrônicos, eram promovidos apenas como opção para os homens. A hostilidade do meio ambiente, a falta de encorajamento e de reconhecimento do trabalho das mulheres (TI) ao longo da história foram alguns fatores que acabaram afastando as jovens da ciência da computação.

Thelma Estrin, pioneira na aplicação da computação em medicina, resume esta situação em seu ensaio Women’s studies and computer science: their intersection ao sugerir “separar o mundo da ciência e da tecnologia daquela história patriarcal que as considerou por anos como inerentemente masculinas”.

No entanto, os ventos de mudança são percebidos. Se aprendemos algo daqueles que trabalham no STEM, é que as mulheres na ciência precisam de outras mulheres na ciência. Nos últimos anos, testemunhamos diferentes movimentos que tentam trazer a tecnologia ao sexo feminino. Em um mundo onde a automação do trabalho é uma realidade, a inclusão das mulheres nas ciências é muito mais que um desejo, é uma necessidade.

Discussão