5 conselhos para manter seguras as bases de dados

Quando damos dicas de privacidade e segurança costumamos falar de senhas fortes, sugerimos fazer backup, contar com soluções de segurança, manter os sistemas atualizados e evitar as configurações de fábrica. Em geral, costumam ser os cuidados básicos e essenciais que qualquer administrador de infraestrutura deve ter em conta. No entanto, de acordo com o sistema que queira proteger, existem algumas questões adicionais para considerar.

Tendo em conta a alarmante frequência de roubos e vazamento de informações, apresentamos cinco dicas para manter bases de dados seguras, especialmente quando estão hospedadas na nuvem ou em serviços terceirizados.

#1 Limitar o acesso à base de dados

quanto mais limitadas forem as permissões e os privilégios, melhor

“Panela que muitos mexem, não toma tempero”, dizia a minha avó cada vez que os netos queriam ajudá-la a cozinhar.

Este velho ditado popular é ideal para aplicar à segurança da informação: quando muitas pessoas interferem em um assunto, o resultado não pode ser positivo.

Algo parece acontece com os acessos às bases de dados: quanto mais limitadas forem as permissões e os privilégios, melhor.

Um rigoroso controle de acesso é o primeiro passo para manter os cibercriminosos longe das informações. Além das permissões básicas como em qualquer sistema, neste caso também é importante considerar:

  • Limitar o acesso aos dados sensíveis selecionando usuários e procedimentos – assim, somente determinados usuários e procedimentos estão autorizados a consultar dados sensíveis.
  • Limitar o uso de procedimentos importantes somente a usuários específicos.
  • Sempre que for possível, evitar as consultas e acessos fora do horário de trabalho habitual.

De outra forma, também é uma boa prática desabilitar todos os serviços e procedimentos que não estão sendo utilizados, para evitar que sejam atacados. Por outro lado, é uma boa prática desabilitar todos os serviços e procedimentos que não sejam utilizados, para evitar que possam ser atacados. Além disso, sempre que possível, a base de dados deve estar em um servidor que não possa ser acessado diretamente pela Internet, evitando que a informação fique exposta para cibercriminosos remotos.

#2 Identificar os dados sensíveis e os dados críticos

O primeiro passo, antes de pensar nas técnicas e ferramentas de proteção, é analisar e identificar quais informações importantes devem ser protegidas. Para isso, é fundamental compreender a lógica e a arquitetura da base de dados, para poder determinar facilmente onde e como os dados confidenciais são armazenados.

Nem todos os dados que armazenamos são críticos ou devem ser protegidos, portanto, não faz sentido gastar tempo e recursos nesse tipo de informação.

Também é aconselhável fazer um inventário das bases de dados da empresa, tendo em conta todas as áreas. A única maneira de ter uma administração completa e não perder informações é ter conhecimento e registro de todas as instâncias e bases de dados da empresa.

Além disso, o inventário é especialmente útil ao fazer um backup das informações, evitando que os dados críticos estejam fora do esquema.

#3 Criptografar a informação

Depois que os dados e as informações confidenciais são identificados, uma boa prática é utilizar algoritmos robustos para criptografar esses dados.

Quando um invasor explora uma vulnerabilidade e ganha acesso a um servidor ou sistema, a primeira coisa que tentarão roubar são as bases de dados. As bases são um tesouro cobiçado, pois geralmente incluem muitos gigas de informações valiosas. A melhor maneira de preservá-la é torná-la ilegível para quem chega sem autorização.

Confira mais informações em nosso guia gratuito de criptografia de dados.

#4 Tornar anónima todas as bases de dados que não sejam produtivas

Muitas empresas investem tempo e recursos na proteção de suas bases de dados produtivas, mas ao desenvolver ou criar um ambiente de teste, simplesmente fazem uma cópia da base de dados original e começam a usá-la em ambientes muito menos controlados, expondo assim toda a informação confidencial.

Mascarar ou tornar anônimo é um processo pelo qual uma versão similar é criada, mantendo a mesma estrutura que o original, mas alterando os dados confidenciais para que permaneçam protegidos. A partir desta técnica, os valores são alterados respeitando o formato.

Os dados podem ser alterados de diferentes formas: misturando entre si, criptografando-os, misturando os caracteres ou substituindo as palavras. O método escolhido dependerá do administrador, das regras e dos formatos que devem ser mantidos, mas o que quer que seja, deve garantir que o processo seja irreversível; ou seja, que a engenharia reversa não pode ser feita para obter novamente os dados originais.

Esta técnica é especialmente utilizada (e recomendada) para bases de dados que fazem parte dos ambientes de teste e desenvolvimento, considerando que permite manter a estrutura lógica dos dados, assegurando que a informação sensível do cliente não esteja disponível fora do ambiente de produção.

#5 Monitorar a atividade da sua base de dados

Estar atento, auditar e gravar as ações e movimentos dos dados permite saber quem, que, quando e como as informações são manipuladas. Ter um histórico completo de transações permite compreender os padrões de acesso e a modificação de dados para evitar vazamentos de informações, monitorar mudanças fraudulentas e detectar ações suspeitas em tempo real.

As informações alojadas nelas são muito valiosas para a empresa e um grande atrativo para os criminosos e, por isso, requerem muita atenção.

Autor , ESET

Siga-nos