Introdução à navegação privada: 8 dicas para proteger os seus dados

Introdução à navegação privada: 8 dicas para proteger os seus dados

O que é exatamente a navegação privada? Em essência, se trata de permanecer anônimo na Web, deixando pouco ou nenhum rastro de suas atividades online.

O que é exatamente a navegação privada? Em essência, se trata de permanecer anônimo na Web, deixando pouco ou nenhum rastro de suas atividades online.

shutterstock_290648414-1-623x410

Cada vez que estamos online, deixamos um “rastro” digital. Os endereços IP nos identificam e as cookies coletam nossos hábitos de navegação. Os provedores de serviços de Internet (ISP) e as empresas empregadoras teoricamente realizam um registro de quais sites visitamos e quando. Inclusive, é interessante destacar, que nem mesmo a navegação privada está totalmente a salvo dos olhos indiscretos.

Então, o que é exatamente a navegação privada? Em essência, se trata de permanecer anônimo na Web, deixando pouco ou nenhum rastro de suas atividades online.

São inúmeras as vantagens: desde a proteção contra os anúncios direcionados até evitar sites que restringem o acesso (caso você tenha um número limitado de visualizações) ou, inclusive, comprar presentes “surpresa” para os seus amigos e familiares. Além disso, existem outros benefícios menos conhecidos, como economizar dinheiro.

Neste post, você poderá conferir dicas de como navegar de forma anônima pela Internet, aproveitando uma série de benefícios. Confira:

1. Use sites com HTTPS

Use apenas os protocolos HTTP ou HTTPS quando estiver navegando pela Internet. Os demais protocolos de navegação web costumam anunciar sua identidade ou localização.

Quando for trabalhar com páginas HTTPS, use apenas autoridades de certificação de confiança, que não emitam um certificado de identidade “falso”.

2. Bloqueadores de anúncios

Para muitos, os bloqueadores de anúncios são um elemento fundamental para manter a privacidade online e, consequentemente, manter-se protegido dos cibercriminosos (se quiser saber mais detalhes, confira o texto em inglês sobre o exploit kit Stegano).

Muitos sites usam cookies para rastrear e coletar os hábitos de navegação de usuários que os visitam, mas os bloqueadores de anúncios impedem que os dados sejam guardados.

3. Administradores de senhas

Existe uma grande variedade de administradores de senhas disponíveis, mas infelizmente sua adoção ainda é uma luta constante. Claro que, nos casos em que a ferramenta é infectada, o usuário poderá expor todas as suas senhas para os cibercriminosos.

Se você costuma ter senhas fáceis de serem adivinhadas ou roubadas, é uma boa ideia começar a usar um administrador de senhas. Esses programas também são capazes de criar chaves robustas e seguras, guardando-as para que não seja necessário memorizá-las.

4. Use endereços de emails temporários

Os endereços de emails descartáveis (DEA, sigla em inglês) são anônimos e temporários, permitindo aos usuários criar rapidamente novos emails sempre que for necessário, eliminando automaticamente o anterior.

O email descartável também é útil para evitar o spam sempre que preenchemos formulários em sites que solicitam um endereço de email para continuar algum processo.

5. VPN

As Redes virtuais privadas (VPN, sigla em inglês) são uma forma eficaz de proteger a sua privacidade online, já que escondem o endereço IP, seu identificador único online, e transferem todos os seus dados através de um túnel virtual seguro e criptografado. Dessa forma, evitam que os sites web rastreiem suas atividades online e, inclusive, que saibam de qual país está navegando.

As VPNs utilizam servidores proxy localizados em qualquer parte do mundo, por isso que sua identidade (ou localização) nunca será completamente revelada.

6. Tor

Se ser rastreado é o que mais preocupa você, uma boa opção é utilizar a rede de anonimato Tor, que esconde o seu endereço IP. Dessa forma, é bem menos provável que os anunciantes ou os cibercriminosos possam te identificar ou marcar como um alvo.

Tor é uma rede de “túneis virtuais que permitem às pessoas e aos grupos algumas melhorias na privacidade e  segurança na Internet”. Essa rede de anonimato dá acesso à Web “produnda”, onde os sites são criados de forma anônima e as pessoas se comunicam de modo privado entre si.

7. Modo privado de navegação

A maioria dos navegadores modernos têm um modo privado de navegação que pode ser utilizado para garantir que os sites visitados não apareçam no seu histórico de navegação.

Os navegadores normalmente registram cada site visitado e armazenam as informações que são inseridas. Ao usar o modo privado, basicamente você estará dizendo ao seu navegador que não registre os sites visitados e que não use nem mesmo descarregue qualquer cookie.

No entanto, não são perfeitos. Por exemplo, em 2010, alguns professores da Universidade de Stanford descobriram que, embora o Firefox não registre o seu histórico durante uma sessão de navegação privada, os sites com certificados SSL eram registrados.

8. Criptografe as suas conversas

Os Serviços de iMessage da Apple e WhatsApp criptografam de ponta a ponta suas conversas, mas também existem outras opções disponíveis, em especial para as comunicações por meio de equipamentos desktop.

TOR chat é um cliente de chat leve e fácil de usar. Além disso, utiliza os serviços do Tor para esconder a localização dos usuários (Utilizando a criptografia SSL/TLS).

O Cryptocat é um cliente de chat baseado na Web que utiliza o padrão de criptografia AES-256, que é extremamente difícil de descriptografar. Também disponibiliza os chats de grupo.

Agora você já sabe: é possível continuar navegando sem se preocupar (tanto) com a privacidade da sua indentidade digital.

Discussão