Conheça o Top 5 dos riscos para a sua privacidade!

Conheça o Top 5 dos riscos para a sua privacidade!

Se pararmos por um momento para pensar como as formas de compartilhamento de informações têm evoluído, talvez, a primeira visão que teremos seja a dos disquetes e CDs; já os mais jovens lembrarão dos dispositivos USB ou sobre o compartilhamento de informações através da Internet. São essas mudanças, cada vez mais rápidas e frequentes, que

Se pararmos por um momento para pensar como as formas de compartilhamento de informações têm evoluído, talvez, a primeira visão que teremos seja a dos disquetes e CDs; já os mais jovens lembrarão dos dispositivos USB ou sobre o compartilhamento de informações através da Internet. São essas mudanças, cada vez mais rápidas e frequentes, que

Se pararmos por um momento para pensar como as formas de compartilhamento de informações têm evoluído, talvez, a primeira visão que teremos seja a dos disquetes e CDs; já os mais jovens lembrarão dos dispositivos USB ou sobre o compartilhamento de informações através da Internet. São essas mudanças, cada vez mais rápidas e frequentes, que geram uma série cada vez maior de riscos e ameaças.

A evolução da forma na qual interagimos na rede e compartilhamos nossa informação, tem mudado a expectativa de privacidade de nossos dados na Internet. Apenas pelo simples fato de abrir um perfil em uma rede social, ter uma conta de email, fazer compras online ou uma rápida pesquisa no Google, faz com que deixemos nossos rastros na Internet.

O primeiro nível de defesa que devemos adotar é sermos conscientes sobre as ameaças que podem nos afetar e tomar as medidas de proteção mais adequadas. Apesar da grande quantidade de riscos que podem afetar a privacidade das nossas informações, queremos apresentar o top 5 dos riscos que possuem uma maior possibilidade de ocorrência atualmente:

#5: Roubo ou perda dos dispositivos

Talvez sejam as mais clássicas ameaças que podem afetar a privacidade dos nossos dados. Desde quando utilizávamos disquetes para compartilhar nossos arquivos ou um CD para armazenar fotos e vídeos, existe o sério risco de que estes dispositivos sejam perdidos ou roubados e, consequentemente, nossos dados expostos. Os atuais dispositivos de armazenamento como USB ou discos rígidos externos junto com os smartphones ou tablets com grandes capacidades de armazenamento aumentaram ainda mais esse risco.

Para muitas pessoas, pensar em perder suas fotos, vídeos, arquivos pessoais e de trabalho, que estão armazenados em dispositivos, é algo bastante possível e aterrorizante. Por isso, adotar medidas preventivas como a criptografia dos dados, para que ninguém possa ter acesso as suas informações, ou fazer cópias de segurança podem nos deixar um pouco mais tranquilos e protegidos contra essas ameaças.

#4: Nossa informação nas mãos de terceiros

Quando nossos arquivos são publicados na rede, automaticamente deixam de estar sob o nosso controle. A segurança dos nossos dados passar a ser administrada por um provedor que, na maioria dos casos, oferece o serviço de forma “gratuita”. No entanto, o preço que pagamos ao entregar nossa informação é uma questão que devemos ter em conta.

Não podemos deixar de lado o fato de que muitos desses fornecedores, em troca de seus serviços, compartilham nossos dados com terceiros para que possam oferecer produtos e serviços de acordo com os nossos hábitos. Além disso, é importante verificar quais são as condições de privacidade estabelecidas pelas redes sociais e serviços que utilizamos. Saber como administrar nossos dados e utilizar de forma correta as configurações de segurança, podem fazer a diferença para que nossa imagem não seja comprometida na rede.

#3: Campanhas de Engenharia Social

A Internet é um grande ecossistema no qual podemos encontrar uma grande quantidade de usuários com diferentes níveis de conhecimento com respeito a utilização da rede. E é a forma como os usuários se compartam que faz com que as campanhas de Engenharia Social continuem tendo êxito nos ataques realizamos hoje em dia.

É verdade que para os usuários que conhecem um pouco mais sobre segurança, esse tipo de ameaça não representa uma realidade e, inclusive, pode ser visto como algo “ridículo”. No entanto, temos que lembrar que nem todos os usuários tem o mesmo nível de conhecimento; por isso, sugerimos que você também compartilhe o que sabe sobre segurança com a maior quantidade de pessoas para fechar a brecha com relação a esse tipo de ameaça.

#2: Códigos maliciosos

Os códigos maliciosos que chegam por email, quando são baixados em sites ou por meio de dispositivos de armazenamento externo continuam sendo uma das principais ameaças para a privacidade da nossa informação. Desde malware que monitora toda nossa atividade até aquele que rouba fotos, vídeos e, inclusive, senhas e números de cartões de crédito, fazendo parte do grande arsenal utilizados pelos cibercriminosos com o intuito de atingir a nossa privacidade.

De acordo com as atividades que realizamos em nosso computador, estaremos mais ou menos expostos a esse tipo de ameaça e, a menos que nunca utilizemos a Internet e dispositivos de armazenamento externo (quase impossível), contar com uma solução de segurança nos dará essa barreira de proteção adicional que nossos dados precisam.

#1: Mal uso da tecnologia

A grande quantidade de funções de conectividade que os dispositivos possuem, facilitam muitas de nossas atividades. No entanto, o uso inadequado dessas características também pode pôr em risco nossa informação. Por exemplo, conectar-se a uma rede Wi-Fi insegura, não gerenciar as características de geolocalização ou não atualizar os aplicativos que utilizamos, podem ser uma brecha de segurança que termina afetando a privacidade de nossos dados.

Conhecer quais são as ameaças e utilizar a tecnologia de forma consciente nos garante um alto nível de segurança para nossas informações pessoais. Ser prudente com relação ao uso da tecnologia e sobre como compartilhar nossa informação, definitivamente fará a diferença para podermos estar tranquilos com relação a nossa privacidade.

Imagem: ©Josh Hallet/Flickr.

Discussão