Jogue “Pokémon Go” de forma segura

Jogue “Pokémon Go” de forma segura

Se você esteve vivendo em uma caverna durante os últimos dias e conseguiu evitar o bombardeio de notícias e mensagens nas redes sociais sobre o Pokémon Go, pode parar de ler este post. No entanto, se você é um dos muitos milhões de pessoas em todo o mundo que já baixaram esse jogo de realidade

Se você esteve vivendo em uma caverna durante os últimos dias e conseguiu evitar o bombardeio de notícias e mensagens nas redes sociais sobre o Pokémon Go, pode parar de ler este post. No entanto, se você é um dos muitos milhões de pessoas em todo o mundo que já baixaram esse jogo de realidade

Pokémon Go

Se você esteve vivendo em uma caverna durante os últimos dias e conseguiu evitar o bombardeio de notícias e mensagens nas redes sociais sobre o Pokémon Go, pode parar de ler este post. No entanto, se você é um dos muitos milhões de pessoas em todo o mundo que já baixaram esse jogo de realidade aumentada, baseado na geolocalização, a ESET dá algumas dicas para que você aprenda a utilizá-lo de forma segura. No entanto, lembre-se que o aplicativo até agora não chegou à América Latina e está disponível apenas para alguns países como os Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.

 

Realize o download apenas por meio de lojas virtuais confiáveis

Como era esperado, já estão circulando versões do Pokémon Go com malware e definitivamente não será a última vez que isso ocorrerá. Portanto, limite-se a utilizar as lojas dos aplicativos da Apple e Google, e escolha o aplicativo que tenha mais quantidade de downloads no mundo. Não caia na tentação de buscar o arquivo em outro lugar apenas porque “demora” para baixar. Se você tem alguma dúvida e é usuário do Android, primeiro analise o arquivo com um software anti-malware de confiança.

 

Não use suas credenciais do Google

Outra dificuldade que surge devido à grande quantidade de downloads simultâneos é que, como muitas pessoas não puderam acessar diretamente por meio do site do Pokémon, os desenvolvedores do jogo agregaram a possibilidade de iniciar sessão usando a conta do Google. O problema é que na versão inicial para iOS, isso garantia ao aplicativo um elevado nível de acesso a contas do Google. A última versão do aplicativo soluciona isso; embora o uso de qualquer site secundário como Google, Apple ou Facebook para iniciar sessão traz certas considerações de privacidade que se deve ter em conta antes de aceitar.

Leve sempre um amigo e permaneça em lugares públicos

Já começaram a chegar histórias de crianças que andam vagando por bosques e se perdem, e de pessoas que entram em lugares sem permissão e acabam sendo vítimas de assaltos ou se metem no meio do tráfego. As crianças sempre devem estar acompanhadas por um adulto responsável e os adultos devem ir com… bom, outro adulto responsável. :)

 

Leve uma bateria extra

Aparentemente, o aplicativo Pokémon é insaciável com respeito ao consumo da bateria. Se somamos isso ao fato de que o usuário com frequência anda vagando por lugares desconhecidos e talvez não saiba como voltar, pode deixar qualquer um em uma situação complicada. Por isso, é uma boa ideia levar uma bateria reserva (e provavelmente algo para comer, água e dinheiro para pegar um táxi ou ônibus) em caso de emergência.

 

Seja sensato

Na verdade, andar acompanhado não garante que você não irá jogar enquanto dirige, atravessar a rua sem olhar ou perambular de modo suspeitoso em frente a domicílios particulares. Os monstros virtuais não valem sua vida nem sua integridade física, nem mesmo terminar preso. Portanto, não deixe que a emoção do jogo leve você a fazer algo que poderá se arrepender mais tarde.

É tentador deixar-se levar pelas novas modas, em especial quando a mesma atividade é tão eficaz em produzir esses neuroquímicos que podem mantê-lo motivado para continuar jogando. Em muitos aspectos, esse jogo é uma boa influência, pois possui benefícios como incentivar as pessoas a fazerem mais exercícios e melhorar sua saúde mental. Com um pouquinho de precaução, você pode obter os benefícios com menos riscos.

 

Imagem: ©Jason Zhou/Flickr

Autor: Lysa Myers, da ESET

Adaptação: Francisco de Assis, da ESET

Discussão